28 de agosto de 2017

E aí pessoal, vamos falar de “Um misterioso assassinato em Manhattan” hoje?

Mas antes comentem aqui embaixo o que vocês acharam da indicação da semana passada. Gostaram de “A vida é bela”? Eu amo!

A sugestão de hoje vai nos levar de volta à década de 1990. Vamos falar sobre nossa primeira indicação de filme dirigida por Woody Allen em uma Manhattan nublada e chuvosa que dá um ar de saudosismo de anos mais calmos. Woody Allen costuma causar reações extremas nos telespectadores. Alguns amam, muitos odeiam. Eu acredito que essa comédia é um dos roteiros nos quais ele acertou em cheio.

O filme é de 1993 e conta a história de um casal de meia idade que se percebe um pouco desconfortável com a vida que está levando. O filho de Larry e Carol já saiu de casa para a universidade e o casal se encontra em uma situação de insatisfação, sem saber muito bem lidar com a fase que estão passando. Percebemos neles uma sensação de gratidão pela vida que têm com pontadas de frustração. Ao mesmo tempo em que não querem ficar em casa entediados, também já não têm muita energia para fazer coisas “diferentes”. Desde o início do filme vemos que a esposa é a mais animada do casal e está buscando novas experiências para a sua vida, inclusive está considerando a ideia de abrir um restaurante.

E então, quando tudo parece ir naquele ritmo lento dos anos 1990 e um pouco entediante como imaginamos a vida aos 50 anos, temos uma morte (ou seria um assassinato?). Esse acontecimento fecha a combinação perfeita (e hilária): Nova York, um mistério a ser resolvido e um marido neurótico de meia idade que o Woody Allen interpreta como ninguém!

O desenrolar da história

O casal protagonista fica surpreso diante da morte repentina de uma de suas vizinhas, mas depois de alguns dias o mais estranho deixa de ser a morte súbita, mas sim o comportamento tranquilo e normal do suposto viúvo que acaba de perder o amor da sua vida. Muito incomodada com a reação do vizinho diante da morte de sua esposa, Carol começa a suspeitar que o viúvo pode ter envolvimento na morte e a vida pacata do casal vira de pernas para o ar.

Carol, que parece buscar uma agitação em sua vida cotidiana, passa a investigar a morte da vizinha e leva seu marido neurótico à loucura. Larry acha que sua mulher está procurando chifre em cabeça de cavalo, no entanto a cada dia sua investigação parece fazer mais sentido. E a cada passo que ela avança na investigação, Larry tem mais ataques nervosos e damos mais e mais risadas.

Qual a diferença deste filme para qualquer outra comédia?

Neste longa, além da atuação incrível dos maravilhosos Woody Allen e Diane Keaton com uma dinâmica perfeita, temos a sensação de uma história maluca na qual gostaríamos de participar (opinar, fazer parte da investigação, etc). Com pitadas de humor negro e falas muito bem desenvolvidas, o roteiro quebra a obviedade das comédias tradicionais e nos surpreende com ações e comentários dos personagens que não prevíamos.

Honra ao mérito para a trilha sonora – que, mesmo pouco presente, nos coloca no clima dos acontecimentos e nos faz sentir parte de toda essa realidade alternativa – e para os atores coadjuvantes, que contribuíram muito bem para dar um tom de realidade possível à comédia.

Não deixem de assistir e comentar aqui o que acharam da indicação!

Beijo